EDUCAÇÃO

ESPECIAL

ADAPTAÇÃO

CURRICULAR

A educação especial tem como objetivo do educando seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho, ou seja, o mesmo objetivo da educação geral tradicionalista, sendo visto como um processo de socialização em que o indivíduo adquire e assimila vários tipos de conhecimentos, funcionando como uma conscientização cultural e comportamental, que se materializa numa série de habilidades e valores. 

Entretanto, a diferença da educação especial para a tradicional, por assim dizer, está no local de atendimento, no tipo de material didático, currículo de trabalho, pessoal envolvido e na individualização do atendimento. 

A definição para educação especial está na modalidade de ensino por um conjunto de recursos e serviços educacionais especiais. Tudo para que haja a garantia de uma educação formal dos educandos que apresentam necessidades muito diferentes dadas a maioria das crianças e/ou jovens. 

Tais indivíduos, também denominados “excepcionais”, também recebem a denominação por parte dos educadores de “alunos com necessidade educacionais especiais”. Vale ressaltar e observar que nem todo portador de deficiência requer serviços especiais. Ainda que possa necessitar de tratamento ou intervenção terapêutica (por exemplo: fisioterapia) em função de suas condições físicas ou mentais.

As adaptações curriculares propostas pelo MEC/SEF/SEESP para a educação especial visam promover o desenvolvimento e a aprendizagem dos alunos que apresentam necessidades educacionais especiais, tendo como referência a elaboração do projeto pedagógico e a implementação de práticas inclusivas no sistema escolar. Baseiam-se nos seguintes aspectos:

  1. atitude favorável da escola para diversificar e flexibilizar o processo de ensino- aprendizagem, de modo a atender às diferenças individuais dos alunos;

  2. identificação das necessidades educacionais especiais para justificar a priorização de recursos e meios favoráveis à sua educação;

  3. adoção de currículos abertos e propostas curriculares diversificadas, em lugar de uma concepção uniforme e homogeneizadora de currículos;

  4. flexibilidade quanto à organização e ao funcionamento da escola para atender à demanda diversificada dos alunos;

  5. possibilidade de incluir professores especializados, serviços de apoio e outros não convencionais, para favorecer o processo educacional.

De acordo com tais diretrizes, os critérios de adaptação curricular são indicadores do que os alunos devem aprender, de como e quando aprender, das distintas formas de organização do ensino e de avaliação da aprendizagem com ênfase na necessidade de previsão e provisão de recursos e apoio adequados. Considera-se Apoio os diversos "recursos e estratégias que promovem o interesse e as capacidades das pessoas, bem como oportunidades de acesso a bens e serviços, informações e relações no ambiente em que vivem. Tende a favorecer a a autonomia, a produtividade, a integração e a funcionalidade no ambiente escolar e comunitário".

 

Resolução SE 61/2014

 Instrução de 14-1-2015 - CGEB

Clique aqui para acessar o material das Orientações Técnicas de Educação e Adaptação Curricular

Clique aqui para acessar material Educação Especial Produção de Material em Braille

Os Materiais de Adaptação Curricular enviado pelas escolas estão em análise e serão disponibilizadas assim que possível. Clique aqui para ver as Adaptações já revisadas.

VC Educação Especial e Educação Inclusiva

Adaptações Curriculares


Silmara Lopres

  Supervisora de Ensino

Adaptações Curriculares Matemática

Fábio Trevisan

PCNP de Matemática

Adaptações Curriculares Anos Iniciais

Denise  Alfarano

PCNP de Educação Especial

Adaptações Curriculares de Biologia

Luis Roberto

PCNP de Biologia

Adaptações Curriculares Anos Iniciais

Cibele Escudero

PCNP dos Anos Iniciais

© 2015 por Núcleo de Tecnologia Educacional. Direitos por Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now